Análise descritiva de variáveis qualitativas

Qualquer que seja o estudo, é necessária a descrição de todas as variáveis envolvidas. Para as variáveis qualitativas, é apenas possível apresentar o número e a percentagem. Já para as variáveis quantitativas apresentam-se  a média, moda, mediana, quartis, desvio padrão, de acordo com as necessidades.
Em qualquer dos casos podem apresentar-se os valores para a totalidade da amostra ou por grupos. Imaginemos que a amostra é constituída por médicos e enfermeiros. Neste caso, pode ser do interesse do autor do estudo a apresentação dos resultados, quer no grupo dos enfermeiros, quer no grupo dos médicos. Da mesma forma, quando pretendemos apresentar os resultados por género, importa fazer a apresentação dos resultados no grupo do sexo masculino e no grupo do sexo feminino. Isto ocorre habitualmente quando se pretende fazer comparações entre grupos. Por exemplo, analisar se os homens diferem das mulheres ou se os enfermeiros diferem dos médicos em alguma das variáveis envolvidas no estudo.

Para as variáveis qualitativas, pede-se uma tabela de frequências.

table-fre

Os comandos do SPSS, na imagem acima, abrem a janela que se segue, onde serão escolhidas as variáveis, quer para as colunas, quer para as linhas. Caso não se pretenda a descrição por grupos, não se escolhe qualquer variável para as colunas.

tabela-freq2

É também nesta janela que se escolhem as estatísticas que se pretendem apresentar: percentagens ou subtotais, entre outros.

É gerada a seguinte tabela no output em que são apresentados o número e as percentagens por grupo e por variável. No caso do estado civil, das 12 pessoas do sexo masculino 41,7% são casadas ou em união de facto e 33,3% são solteiras. Já no grupo do sexo feminino, das 11 pessoas inquiridas, 63,6% são do casadas ou em união de facto e 27,3% são solteiras. No caso das habilitações literárias, sabemos que os inquiridos da amostra têm habilitações entre o 6º ano e o ensino superior, sendo que aproximadamente 60% dos homens tem habilitações superiores ao 12º ano e quase metade das mulheres tem o ensino superior.

tabela-freq-output

 

Guardar

11 thoughts on “Análise descritiva de variáveis qualitativas

  1. Gilberto Neves

    Só para alertar de um lapso ocorrido no primeiro parágrafo. A segunda palavra “Qualitativa” é na realidade “Quantitativa”.

    Reply
      1. Teresa Post author

        Obrigada por este comentário. Já está corrigido
        Esqueci-me de emendar quando o Gilberto assinalou o erro.

        Reply
  2. Patrícia Ferreira

    Boa tarde,

    Tenho uma pergunta acerca das análises descritivas.
    No meu estudo tenho muitas variáveis que tem missing values e não sei bem como colocar essa informação.
    Tomando como exemplo a variável sexo, em que existe alguns missing cases, aparece na tabela a frequência, a percentagem, a percentagem válida e a cumulativa. Nos outros estudos que vi reparei que só aparece a frequência e a percentagem, a minha questão é: qual das percentagens utilizar, ou seja ao passar e descrever a tabela devo colocar a percentagem normal do sexo masculino, feminino e missing cases, ou devo colocar a Percentagem Válida sem fazer referência aos missing cases? E do mesmo modo quando estou a fazer o gráfico devo incluir os missing cases ou apenas a percentagem válida.
    Agradeço antes de mais a atenção e disponibilidade!

    Reply
    1. Teresa Post author

      Pessoalmente acho que não tem muito sentido apresentá-los, excepto se estiver a fazer um estudo acerca da identidade de género.

      Reply
  3. Patrícia Ferreira

    Vou usar sem missing cases, mas continuo na dúvida uso as percentagens validas e não as outras percentagens, certo?
    Ou apresento todas as percentagens em tabelas e na descrição da tabela apenas faço referência às validas?
    Peço desculpa pelo abuso e desde já agradeço mais uma vez.

    Reply
  4. Rui Silva

    Boa tarde. Tenho as seguintes variáveis nominais: Turistas que visitaram museus (sim, não). Turistas que compraram artesanato (sim, não). Fiz o teste do qui quadrado e confirma-se que existe dependência entre as variáveis. A hipótese do estudo é saber se turistas que visitam museus compram mais artesanato em comparação com os que não compram. Contudo o teste do qui quadrado embora me diga existe dependência não me confirma este hipótese, certo? Existe possibilidade de confirmar esta hipótese? Obrigado.

    Reply
    1. Teresa Post author

      Quando pede o teste do QUI-quadrado, deve pedir os casos observados e esperados. Analisa depois as discrepâncias entre observados e esperados.

      Reply
  5. Catarina

    Boa tarde,
    Para determinar o número e a % de alunos em cada categoria de IMC (variável ordinal) em cada ano de escolaridade (e sexo) basta pedir uma tabela de frequências? Não é necessário testar a normalidade?
    No caso de querer comparar o IMC de 2 momentos terei de testar a normalidade e considerar como amostra emparelhada,correto? Obrigada

    Reply
    1. Teresa Post author

      Não se analisa a distribuição (normalidade) em variáveis ordinais.
      Para comparar 2 momentos do IMC (ordinal) não precisa testar a normalidade. Usa o(s) teste(s) em Analyze- Non Parametric Tests-Legacy Dialogs- 2 Related Samples.

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *